ROUGH DRAFT authorea.com/99167
Main Data History
Export
Show Index Toggle 0 comments

Técnica Vocal - volume

Como turbinar o volume da sua voz em 5 passos[1] 


Vocal coach Daniele Krauz explica 5 dicas simples de como aumentar consideravelmente seu volume para cantar ou mesmo falar em público.

[1] Este e-book, distribuído gratuitamente, é parte do curso em vídeo ‘Volume’. É permitida a distribuição e reprodução deste material em sua integra sempre que citada a fonte.


Atividades
Envie um trecho da uma música que você pretenda estudar para o grupo no Whatsapp antes de iniciar o estudo. Depois de duas semanas acompanhando as atividades grave o mesmo trecho novamente.

Introdução

 

Desde que iniciei meus estudos em canto erudito, em 2000, minha intenção foi encontrar minha própria voz e desenvolve-la ao máximo. No entanto o método de ensino de minhas professoras era muito vagaroso por ser intuitivo. Os exercícios eram praticados repetitivamente por um longo tempo e em todas as aulas. Apesar de ser eficientes eu sentia falta de algo mais direcionado e mais rápido. Demorei três anos para chegar a um ponto em que senti que gostava do som que tinha conseguido desenvolver, mas isso era apenas o começo. Depois de terminar o curso de canto erudito decidi partir para pesquisas por conta própria e desenvolvi meu método de ensino de técnica vocal.

Minha experiência cantando profissionalmente é bem variada, já cantei MPB solo e em grupos, cantei em corais, em uma ópera, em bandas de rock, tenho composições em vários estilos e com parceiros também de influências variadas. Todas essas situações foram trazidas para a pesquisa e desenvolvimento de exercícios com base em estudos das áreas de fonoaudiologia, psicologia e técnicas especificas para canto e teatro. Para aumentar ainda mais a eficiência e rapidez do meu método acrescentei ainda conhecimentos adquiridos na yoga e tai chi chuan. Como não gosto de perder tempo meu foco é sempre a melhor maneira de conseguir resultados com o mínimo de tempo envolvido. Apesar de os exercícios serem físicos e o corpo responder de forma diferente para cada pessoa é perfeitamente possível conseguir ótimos resultados com 15 minutos de estudos diários já em uma semana.

Este e-book e parte do curso em vídeo ‘Volume’. Todos os exercícios aqui mencionados são explicados e demonstrados detalhadamente nos vídeos. As vídeo aulas também apresentam outros exercícios que são mais facilmente compreendidos através da demonstração, então é muito mais interessante que você siga o programa completo para conseguir chegar a sua melhor qualidade de volume.

Agora é sua vez de soltar a voz e aproveitar todos os benefícios do estudo de técnica vocal.

Porque o volume?


O volume é uma parte extremamente importante no trabalho de técnica vocal porque é o que vai definir a maneira como você vai projetar o som no ambiente. A voz precisa ser amplificada e direcionada.




 

Muitos ou quase todos os meus alunos chegam para as aulas com essa dificuldade: abrir a voz e realmente cantar fazendo com que o som se expanda com clareza. Isso já se observa a partir da maneira como falam. Muitas pessoas são tímidas para falar com desconhecidos ou com o público em geral. Acabam recolhendo a voz e não se expressando com segurança, passam incerteza através do som. Na hora de interpretar uma canção também acabam ficando limitados.

A voz baixa por si já passa essa sensação de fragilidade, incerteza e insegurança. Esse acaba sendo um motivo mais que suficiente para encontrar o volume ideal para sua voz. Esse volume tem que ser confortável, não exigindo esforço, com a quantidade certa de ar para que a voz chegue ao ouvinte. O volume, além de dar firmeza ao som, é uma das maneiras de efetivar a comunicação. O volume adequado faz com que as palavras fiquem claras, não sejam abafadas pelo som de instrumentos, por exemplo, e nem soem desconfortáveis aos ouvidos alheios.

O som precisa ser realmente direcionado aos ouvintes, não pode ficar encerrado dentro do cantor, mas também pode ser dosado para realçar frases mais vibrantes. O volume é também uma das técnicas importantíssimas da interpretação. Usando variações de volume com técnicas de projeção da voz o cantor pode variar cada frase ou passagens dentro da melodia para brincar com os efeitos. Frases mais suaves podem ser quase sussurradas e refrões marcantes podem ser cantados com mais vigor envolvendo os ouvintes e mantendo-os atentos.

Outra utilidade importante do controle do volume é a necessidade que cada voz tem de concentrar mais atenção em notas específicas. As áreas mais graves tendem a exigir mais volume, principalmente para quem tem o timbre mais agudo, como sopranos e tenores. Isso exige agilidade para saber dosar a quantidade de ar usada nas notas mais graves sem perder a qualidade de som.

Para conseguir um bom volume com afinação e firmeza nas notas você precisa de um bom apoio na respiração, sempre no diafragma, e abrir bem a boca para baixo, relaxando o maxilar, nas notas agudas. O som tem que sair com leveza, se qualquer músculo no pescoço ou rosto estiver tenso a voz vai sair espremida. Da mesma forma se a voz estiver no fundo da boca ou no nariz você não vai ter qualidade de som. Nestes cinco passos vou explicar o que você deve observar enquanto faz os exercícios para realmente conseguir o resultado esperado.

Mas antes de começarmos a trabalhar especificamente com o volume precisamos preparar a voz para que não se corra o risco de forçar a musculatura durante esses exercícios. Não pode surgir rouquidão ou cansaço durante o treinamento, para isso usaremos algumas rotinas simples que você deve inclusive incorporar ao seu dia a dia para estar sempre com a voz pronta para cantar na sua melhor qualidade. Essa preparação também vai prevenir qualquer futuro problema nas pregas vocais.

Relaxamento


A primeira coisa que você precisa lembrar é que o som só é produzido com ar. É o ar que você armazenou nos pulmões passando pelas pregas vocais que vai produzir o som. Toda a musculatura dos ombros e pescoço tem que permanecer completamente relaxada pra não obstruir a passagem do ar.




Como a voz é produzida pela passagem de ar pelas pregas vocais, que são músculos, precisamos ter o cuidado de relaxar e aquecer essa musculatura antes de cantar. Pode parecer simples, mas nenhum cantor negligencia essa fase para não sofrer danos durante a apresentação ou ensaio. E quando se focaliza em aumentar o volume da voz essa parte da preparação é ainda mais importante, pois não apenas a garganta, mas toda a musculatura do pescoço, rosto e peito deve estar relaxada para que o som flua com liberdade. Quanto mais tensão maior esforço e consequentemente cansaço e rouquidão.


Cantar com os músculos da garganta tensos acarreta lesões que podem evoluir seriamente e podem mesmo levar até a perda parcial da voz se não tratados a tempo.




Os exercícios explicados a seguir irão garantir que toda a musculatura envolvida na projeção do som esteja relaxada o bastante para que o som se expanda sem bloqueios e você consiga cantar com leveza, independente do tom. O som nunca deve ser produzido com esforço. É um erro pensar que você precisa forçar o som para alcançar notas agudas, por exemplo. Se a nota esta dentro do alcance da sua voz você deve se ocupar em fazer com que essa nota soe totalmente livre.


A respiração para produzir som é diferente da respiração usada na pratica esportiva. Devemos concentrar a atenção no diafragma, que fica abaixo das costelas. Esse músculo é o responsável por puxar o ar para dentro dos pulmões e empurrá-lo para fora. Quando exercitamos o diafragma o bastante para termos controle consciente de seu movimento podemos dosar a quantidade e a forma como o ar entra e sai dos pulmões enquanto cantamos.

 


Respiração Hara

Essa respiração vem da esfera das disciplinas japonesas e se refere ao abdômen como suporte principal do ponto energético ki a ser procurado cerca de 3 centímetros abaixo do umbigo. "Hara” e a palavra japonesa que significa "abdómen". Segundo a concepção oriental, um homem sem Hara é um homem inconstante.

Colocamos as mãos sobre o abdômen e inspiramos lentamente até estarmos agradavelmente cheios de ar. Fazemos uma pequena pausa e expiramos de boca entreaberta e com a ajuda de um prolongado "ffff". Enquanto isso, o abdômen deverá estar totalmente relaxado, só retornando à sua posição inicial no fim da expiração. Durante a expiração, imaginamos uma bola de chumbo que desce interiormente para o fundo da bacia. Nos parecemos, por um curto espaço de tempo, com a figura acentuadamente barriguda de uma estátua de Buda. Essa respiração alivia o cansaço e concentra energia, provoca libertação do medo, eliminação de